BrasilEsporteGeral

Rei do futebol, Pelé morre aos 82 anos

O atleta estava internado no hospital Albert Einstein, em SP

 Edson Arantes do Nascimento, que ficou mundialmente conhecido como  Pelé, morreu hoje (29), aos 82 anos, no Hospital Albert Einstein, na zona sul da capital paulista. De acordo com boletim médico divulgado pelo hospital, a morte ocorreu em decorrência de falência múltipla de órgãos. 

“O Hospital Israelita Albert Einstein confirma com pesar o falecimento de Edson Arantes do Nascimento, o Pelé, no dia de hoje, 29 de dezembro de 2022, às 15h27, em decorrência da falência de múltiplos órgãos, resultado da progressão do câncer de cólon associado à sua condição clínica prévia”, diz o texto divulgado. Pelé estava internado no hospital desde 29 de novembro.

Kely Nascimento, filha de Pelé, postou nas redes sociais uma mensagem de despedida. “Tudo que nos somos é graças a você. Te amamos infinitamente. Descanse em paz”. O Santos Futebol Clube publicou uma imagem de uma coroa com o dizer “eterno”.

O estado de São Paulo decretou luto oficial de 7 dias em razão da morte do atleta. “Em homenagem ao maior mito do futebol brasileiro, estou decretando luto oficial de sete dias. Meus sentimentos a familiares e amigos e ao Santos Futebol Clube, seu clube de paixão”, disse o governador Rodrigo Garcia, em nota.

O Santos também publicou uma nota de pesar pela morte do rei do futebol. O clube também decretou luto de 7 dias. “O Santos FC lamenta profundamente o falecimento do melhor jogador de futebol de todos os tempos, o homem que levou o nome do Alvinegro Praiano para o mundo, nosso maior ídolo, que eternizou a camisa 10 e a transformou em obra de arte”. 

“Nossos sentimentos à mãe dona Celeste, à esposa Márcia Aoki, filhos e netos e para todos os apaixonados pelo esporte, como nós, súditos do Rei, para sempre”, diz o texto.

Pelé é a própria essência do futebol brasileiro. Foi com ele e com a admirável seleção de 1958 que deixamos de lado um certo complexo de inferioridade e começamos a ser admirados pelo mundo. Era uma época provinciana, de continentes isolados, e a partir dele começamos a ganhar o tricampeonato mundial e a ser respeitados com a ajuda luxuosa de uma geração de craques. Especialmente Garrincha, que nos liderou em 1962 na ausência de Pelé.

Já era um momento no qual em muitos lugares do mundo, mesmo em uma pequena vila da China, o nome de Pelé passou a ser mais conhecido do que o do Brasil, como se fosse um autêntico rei. Tempos de simplicidade no qual não havia dezenas de assessores e nos quais repórteres como eu entravam em vestiários e concentrações, ou eram logo atendidos ao telefone.

Pelé foi sempre celebrado e respeitado (mesmo quando parou) por sua elegância, personalidade e por ser sempre reconhecido como o maior jogador da história. Seus lances mágicos na Copa de 1970 estarão sempre em nossa memória, um privilégio para quem o acompanhou ao vivo.

Pelé foi o maior dos maiores, mesmo dos grandes Messi, Maradona, Zidane e Ronaldo. Talvez só no Brasil há quem o critique por fatos de sua vida pessoal. Mas perfeição não existe nem para um rei. E Pelé, que nos deu tantas alegrias, não perderá a majestade em nenhum plano

Ainda não foram divulgadas informações sobre o velório de Pelé.

Fonte: Agência Brasil

Mostrar mais

Charles Dieu Sauveur

Graduado em Jornalismo pela Universidade Guarulhos (UNG). Amante das letras, música, cultura. Desde 2020 trabalha como Diretor, produção e gestão de conteúdo on-line.

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo