BrasilGeral

Preservação de acervos culturais é tema hoje do Brasil em Pauta

O presidente do Instituto Brasileiro de Museus (Ibram), Pedro Mastrobuono, disse que visitação a museus no Brasil chegou

O presidente do Instituto Brasileiro de Museus (Ibram), Pedro Mastrobuono, disse que visitação a museus no Brasil chegou, antes da pandemia, a quase 26 milhões de brasileiros, e não turistas. Segundo ele, isso mostra um universo bastante vigoroso. “A realidade lá fora é outra, os museus europeus são frequentados, muitas vezes, por turistas. Aqui não. É a nossa população que consome, que é ávida por isso, um grande privilégio”, destacou Mastrobuono, o entrevistado deste domingo (11) do programa Brasil em Pauta, da TV Brasil, que vai ar às 22h30.

Para ele, o museu é local onde se amplia o conhecimento, se aprofunda a consciência da identidade, se conserva, comunica e expõe o patrimônio material e imaterial da humanidade. No Brasil, existem  quase 4 mil museus. “O Brasil tem um campo museal muito forte, e as pessoas não têm essa consciência. São pouquíssimos os países no mundo que têm legislação específica para o setor, além de um órgão federal destinado a fazer política pública na área. Isso é uma raridade no mundo, e o Brasil tem. 

Na entrevista, Mastrobuono fala ainda sobre o enfrentamento do risco predial e patrimonial e as medidas do instituto frente a esse desafio. “O que é preciso esclarecer é que os nossos museus, muitas vezes, estão em prédios cuja identidade predial é centenária, são prédios muito antigos – 150, alguns de 200 anos – e que nunca foram projetados para serem museus. Em 2019, dos 30 grandes museus que administramos, só dois tinham alvará de Corpo de Bombeiros, era uma dificuldade muito grande compatibilizar a concessão desse alvará, que é estadual, com a proteção à identidade patrimonial do edifício, que é federal. Nós conseguimos avançar muito, hoje já são 11. E temos 24 planos de proteção e combate a incêndios já aprovados nas duas instâncias, no Iphan [Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional] e no Corpo de Bombeiros de cada um desses estados”, explicou o presidente do Ibram, acrescentando que “a sociedade brasileira vê no alvará dos bombeiros a certificação de que o edifício e a população que ali frequenta estão seguros’’. 

Além dos desafios da gestão patrimonial, o Ibram também tem trabalhado na adaptação dos museus à era digital, principalmente no momento pós-pandemia. “A pandemia foi um grande divisor de águas, antes tínhamos uma página muito árida, e a pessoa que a visitava não conseguia grandes experiências. Hoje não, a população é ávida por ter a fruição cultural pela via digital, para ter uma experiência real nesse universo. Isso demanda uma série de iniciativas: já temos grande parte do patrimônio digitalizado, convênios com universidades para desenvolver produtos, o metaverso é uma realidade que veio para ficar e que traz uma infinitude de possibilidades”, afirmou Mastrobuono. 

O presidente do Ibram tratou dos impactos da cultura na sociedade e a importância da preservação da memória e identidade nacionais. “A economia criativa no Brasil é 4% do nosso Produto Interno Bruto, o PIB. Isso, além de tudo, serve de apoio psicológico, [consumir arte] funciona quase como um antidepressivo, é um estímulo e a gente sente isso. Por exemplo, os países asiáticos hoje têm uma indústria muito forte, há um leque enorme de séries coreanas, e o que é aquilo? É o povo coreano se vendo nas suas tradições. Isso é o resgate de uma identidade e a identidade não é só um sentimento de pertencimento, mas a expectativa de um futuro coletivo, as pessoas têm esperança de serem protegidas por aquela sociedade na qual estão inseridas. Sem a cultura, esse tecido vai se esgarçando e as pessoas se sentem abandonadas”, concluiu. 

Fonte: Agência Brasil

Mostrar mais

Charles Dieu Sauveur

Graduado em Jornalismo pela Universidade Guarulhos (UNG). Amante das letras, música, cultura. Desde 2020 trabalha como Diretor, produção e gestão de conteúdo on-line.

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo