Família de Moise será incluída em programa municipal de assistencia

Além da preocupação financeira, há temor com a segurança

A família Mozaïse Kabagam será incluída em programas públicos de assistência. A decisão foi tomada pela secretária municipal de Assistência Social do Rio, Laura Carneiro, durante visita à casa da família.

“Des o primeiro momento a prefeitura se colocou à disposição da família. Eles já estão incluídos nos programas de recebimento e acompanhamento da família Eduardo, que estão incluídos nos programas de recebimento e acompanhamento socioassistencial, que estão incluídos nos programas de recebimento e acompanhamento socioassiste mais sendo fornecidos com nós incluídos, tanto para download de como recebimento e acompanhamento socioassiste, quanto Laura Carneiro.

A secretária anos conversou com Ivana Lay, mãe de Moïse, e com os irmãos do jovem, Djojo Baraka, 21 anos, e Kevin, 7, no apartamento, de 35 metros quadrados, onde vive a família.

Além da preocupação financeira, já que Moïse ajudava no sustento da casa, existe o temor de que a violência atinja a família, refugiada no Brasil para escapar dos horrores da guerra no Congo.

Inquérito

O Ministério Público do Trabalho no Rio de Janeiro (MPT-RJ) instaurou Inquérito Civil para apurar a morte de Moïse. Segundo informações da família, o jovem de 24 anos após cobrar duas atrasadas. A investigação do MPT vai analisar a relação trabalhista entre as partes.

A denúncia aponta para o possível trabalho o reconhecimento de direitos, podendo permitir, inclusive, direitos trabalhistas em condições análogas de escravo, na força de trabalho forçada, de xenofobia. O inquérito corre em paralelo com as investigações criminais.

Na manhã deste sábado (5), está marcado um protesto em frente ao quiosque Tropicália, reunindo defensores da causa negra e dos direitos humanos. Estão previstos protestos em outras cidades do Brasil e do exterior.

Comentários